domingo, 29 de julho de 2012

Relato de um espermograma

Pedi para escreverem a experiência do exame de espermograma... E recebi este texto! Até que eles sofrem, mas não é tão mal assim... Homens não temam, façam, se necessário! Não é nenhum bicho de sete cabeças! Andei pesquisando e descobri que na China o espermograma é uma coleta de esperma assistida! Existem profissionais que fazem esta coleta... É bem constragedor! Ainda bem que no Brasil é mais simples! Apesar de esta ser uma opinião feminina! Bom, o relato abaixo é uma experiência da vida real e o autor chegou a contar sua experiência para muitos amigos em forma de piada. E alguns deles, fizeram logo depois! Perderam a vergonha, sabe? Porque afinal é só um exame mesmo! Não fere a masculinidade de ninguém, não é mesmo? Mas isso é papo para outro post! ;)

"Certo dia minha esposa me informou que eu deveria fazer um espermograma num laboratório. Com a correria do dia-a-dia, os dias foram passando e o papel do exame ficava ali... Até que minha esposa disse que marcou pra mim data e hora (8h30a.m.), me entregou os papéis, e disse que seria rápido e simples e que eu poderia realizar o exame antes de chegar pela manhã no escritório. Coloquei os papéis na minha carteira, agendei a data e hora no celular.No dia do exame, acordei, fiz meus procedimentos matinais, e vesti meu terno e gravata. Assim, do laboratório, eu iria direto ao trabalho como uma pessoa normal.
Ao chegar no laboratório, entreguei os papéis. A atendente olhou pra mim e disse que o meu exame teria de ser pela outra entrada. Chegando lá, era a entrada dos atendimentos às crianças, algo que já não estava normal. Entreguei novamente os papéis e me pediram pra esperar. Fiquei ao lado de umas 30 crianças chorando, sem saber o que me esperava e, inocente, ainda fiz check-in no celular! Chega uma atendente e grita meu nome adicionando: “Sr. Fulano do espermograma!!”, me levantei e fui seguindo esta até chegar em um quarto. Ela segurava um pote transparente e uma ficha. No quarto, à beira do corredor principal (esse detalhe é importante). Havia um sofá, uma mesa, uma pia, uma televisão e um cabide. A enfermeira me olha e me entrega o pote dizendo:
'- O Sr. por favor preencha a ficha antes pra não melar.' E continua: '- O Sr. vai se masturbar e gozar dentro desse pote. Tente se controlar para não cair nada fora. Quando terminar, deixe o pote ao lado da ficha e pode sair que receberei o sinal que o sr terminou.'

Fiquei sem graça. Ela saiu e me deixou na sala, de terno e gravata, com um pote na mão, num quarto e ouvindo tudo que se passava no corredor, inclusive perguntas sobre quem estava no quarto, gritos e choros de crianças que não imaginam o que se passa ali vizinho.
Foi o maior desafio de minha vida sexual: obter um orgasmo nestas condições...

No primeiro momento não me veio nada à cabeça...nas duas inclusive! Porém, busquei alguma revista pra me animar e nada! Finalmente liguei a tv e lá estava o filme... 'Papai, fiz pornô'. Afrouxei a gravata, e chamei meu parceiro pra trabalhar. Este mal tinha acordado, mas entendeu que era questão de vida ou morte e se levantou. O filme era triste, deveria ser vendido como comédia. Pra quem tava fazendo o primeiro pornô, aquela já tinha doutorado. Tive que apelar pro acervo imaginário que todo homem possui em sua cabeça inferior. Lembrei das cenas na praia, campo, serra e na cidade, daquelas modelos que nunca falarão comigo, bem como dos grupos de biquíni que na praia jamais me olhariam, porém nos meus filmes elas me procuram incessantemente. Finalmente chegou a hora, e o pior era a voz da enfermeira na minha mente me lembrando pra não deixar cair nada fora!!!

Consegui! Missão cumprida! Porém, vai uma dica: não precisa de um pote tão grande, isso baixa a auto-estima do paciente.

Deixei o pote no local, lavei as mãos, coloquei o terno e a gravata e saí correndo da sala, inclusive fingindo uma ligação de trabalho e como estivesse num assunto seríssimo. Saí no meio de 20 crianças que sequer imaginavam o que estava passando dentro daquele quarto, senão gritariam “lá vai o punheteiro!!!”

Cheguei no escritório tentando fingir que nada tinha acontecido, e fui desenvolver os trabalhos do dia, relaxado é verdade, porém com uma certeza de que consigo ter orgasmos em qualquer situação e sem melar nada!!!"

13 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkk
    muito bom!
    isso aí, nós mulheres passamos por exames horríveis e nem temos prazer!
    os homens sempre se dão bem no final!

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkk.. convence o autor do relato a fazer um blog contando as marmotas dele, ia fazer o maior sucesso!

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkkkkkk ow fuleiragem!!!

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkk É um figura mesmo!!! ;)

    ResponderExcluir
  5. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk To rindo muito, rindo alto!! Já escutei mil vezes esse relato!! Mas por aqui ta beeem melhor!! Amei!!

    ResponderExcluir
  6. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!! Morrendo de rir!!!! A que ouvi ontem... "Porra! Tive que pagar R$ 260, p/ bater uma punheta..." Ai, ai, esses homens!!!!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  10. kkkkkkkkkkkkk nossa chorei de tanto rir...muito engraçado!!!

    ResponderExcluir
  11. Acabei de chegar do exame, e foi muito tranquilo, mesmo sem sala especial (cadeira, filmes, revistinhas, nada disso), fiz o seguinte e aconselho quem vai fazer, levei meus fones de ouvido coloquei uma musica bem alto (para não ouvir o barulho das pessoas do lado de fora)e lembrei de momentos íntimos com minha esposa, foi tranquilo, só não gostei foi de passar por inúmeras pessoas no corredor com o coletor na mão para entregar a uma recepcionista. Mas foi! rsrsrsr

    ResponderExcluir
  12. A melhor parte foi imaginar as crianças gritando "lá vai o punheteiro!!!"

    ResponderExcluir